Fiador: Sem saída de emergência?

saida_de_emergenciaQuando se pede um crédito para comprar um carro ou uma casa, muitas vezes o banco exige um fiador. Vale a pena arriscar?

Ser fiador dum crédito à habitação é quase como casar, visto que muitos créditos só são pagos em 30 ou 40 anos. Normalmente são os pais que aceitam ser fiadores dos filhos. Antes de comprar casa ambas as partes devem pensar bem, se é isso que querem. Ninguém sabe o dia de amanhã, e a casa de sonho de hoje pode ser o pesadelo do futuro. Em trinta anos muito pode mudar e os pais bem-sucedidos podem ter problemas financeiros na velhice.

No pior dos casos não só os filhos, mas também os pais ficam prejudicados. Em vez de usar os pais como fiadores pode ser mais sensato esperar até ter seguranças ou puopanças suficientes para pedir um crédito sem fiadores. E para os pais: Porque não deixar uma casa já paga aos filhos, em vez de arriscar ter que pagar as dívidas deles? Antes de ser fiador deve-se pensar muito bem: todos podem ter um dia problemas financeiros – seja por causa de desemprego, uma doença ou um divórcio.

Ser fiador num crédito autmóvel é um risco menor, mas continua a ser um risco. Pode ser mais sensato comprar um carro usado mais barato do que ter que apresentar um fiador.

Quem pode ser fiador?

A entidade credora decide quem aceita como fiador. Existem bancos que preferem pessoas com um património relevante e outros que aceitam fiadores sem património, mas com um salário elevado.

Fiador sem saída de emergência?

Em Portugal existem por volta de 1,4 milhões de fiadores. O número elevado sugere que nem todos esses fiadores sabem que não podem deixar de ser fiadores quando lhes apetece. Quem no meio do contrato decide que já não quer ser fiador, pode ter um problema. Para deixar de ser fiador, tem que se pedir uma reavaliação do crédito ao banco. Caso o devedor demonstre capacidade de pagar o crédito sem fiador, o banco pode libertar o fiador, mesmo antes do crédito estar pago na sua totalidade.

E se o devedor não consegue pagar a divida?

No momento em que o devedor não paga a sua dívida chega a hora do fiador entrar com o seu dinheiro – ou no pior caso com o seu património. Ou seja – pode perder a própria casa para pagar a divida de outra pessoa.

Outra consequência: No caso de incumprimento por parte do devedor, o nome do fiador ficará registado na lista negra do Banco de Portugal como um cliente de incidentes bancários. Claro, o fiador tem o direito de pedir o dinheiro do devedor de volta. Infelizmente fiadores raramente tem sucesso porque se o devedor não tinha dinheiro para pagar o banco, raramente terá dinheiro para devolver ao fiador.

Quando devedor ou fiador apercebem de que exitem problemas no pagamento do crédito deviam pedir aconselhamento. Os Gabinetes de Apoio ao Sobreendividado da Deco ajudam na renegociação de créditos.

Se este artigo lhe foi útil, talvez queira subscrever a nossa newsletter.

Crédito Habitação: Spread Top 5